[+18] Clock Strikes

Bookmark and Share

CLICA AQUI QUE TEM A TAL MÚSICA, CARAIO




Esse foi um domingo glorioso para a presidenta Dilma Rousseff. Presidenta reeleita, e com uma boa vantagem. Uma vitória e tanto! Passou a noite comemorando com seus aliados e militância numa festa regada a muita bebida e gritos de ordem contra os tucanos. Ah, tucanos... "E o meu tucano, como será que está agora?" Dilma se perguntou por toda a noite. Aécio, seu adversário derrotado, se limitou a um pequeno discurso em um hotel mineiro. Nem ligar pra felicitá-la pela vitória ele ligou, apesar dos assessores do PT dizerem o contrário a mando de Dilma.

Agora ela está em seu grandioso quarto do Palácio da Alvorada, tentando dormir o sono dos campeões, mas o telefone toca. Finalmente.

- Alô? Dil? - Aécio carregava um tom estarrecido e  lúgubre na voz - Parabéns, meu amor...
- Aécio... Não fique assim, lembre-se de que você ainda tem seu mandato de senador. E no que se refere a 2018, o Lindberg vai ser meu sucessor e talvez você...
- Por favor, Dil... Vamos esquecer tudo isso. Acabou. Você ganhou. Agora vamos focar na gente.
- É muito cedo ainda pra nos declararmos publicamente, meu amor - Dilma olha pra janela do quarto, observando a chuva cair  Ainda mais depois de todos os ataques...
- Que eu me arrependo fortemente
- E eu já provei do seu arrependimento, meu querido - a presidenta diz entre risadinhas marotas - Mas, sério, vamos esperar até janeiro pra gente se acertar...
- Tá, mas eu não tô falando disso. - Dilma começa a perceber, de longe, aquele tom sexy entre as nuances tristes na voz de Aécio.
- Então no quê se refere?
- Meus espiões perceberam que você não estava totalmente feliz na sua própria festa...
- E como ficaria plenamente feliz? Você não tinha me ligado, fiquei estarrecida com a falta de protocolo. E de consideração.
- Então... Quero corrigir isso com você - Dilma parecia ouvir uma música ao longe, uma música familiar, que se aproximava cada vez mais
- Como?
- Você nem imagina, não é? - O tucano solta seu sorriso sexy e arrebatador, e a presidenta não precisava muito pra saber disso.
- Você e sua mania de tergiversar... Diz logo como é que você quer corrigir esse erro!
- Apesar de eu te achar linda quando nervosa, por favor, não fique assim - a tal música estava chegando perto de Dilma, e agora ela podia reconhecê-la. Era Clock Strikes, do grupo One Ok Rock. Era a música deles. - Eu estou chegando!

Seria mesmo o que Dilma estava pensando? "Não acredito!" pensa a presidente, ouvindo a música cada vez mais alta e nítida. Ela joga o telefone na cama, levanta num salto, corre em direção a porta do quarto e a abre repentinamente. Era ele. Carne, osso e sorriso. Estava bem ali, como se estivesse esperando a porta ser aberta.

- Você!? Não pode ser! - Dilma estava estarrecida - Mas como...?
- Como eu entrei? Fácil! Foi só dar um agrado pro segurança...
- Ora, seu tucano corrupto!

Aécio interrompe o sermão da presidenta com um beijo intenso e carinhoso. Era o beijo da vitória: de Dilma por ter ganho a presidência, e de Aécio por ter encontrado a mulher de sua vida. A petista se afasta dos lábios do mineiro. Precisava de ar, e precisava ver que era real. Envolveu o rosto de Aécio com suas mãos, o acariciando

- Quero que saiba, Aécio... Eu não me importaria de perder essa presidência. Não mais... Porque agora eu tenho você! - As lágrimas brotavam dos olhos de ambos
- Pra sempre, meu amor!
- Pra sempre...

Os dois se uniram novamente em um beijo terno e apaixonado. Agora, naquele momento nada mais importava. PT ou PSDB, direita ou esquerda, tucanalhas ou petralhas... Agora seriam um só, uma alma, um Brasil. Foram se curvando até deitarem na cama queen-size da suite presidencial, Aécio beijava e mordiscava o pescoço de Dilma fazendo questão de sentir o cheiro inebriante da presidenta, que para ele viciava mais que cocaína. A petista não sabia mais no que pensar com as carícias do mineiro, ela só queria sentir cada vez mais, até virar um balde de cinzas. Arrancou a camisa social de Aécio com força, fazendo os botões voarem pelo quarto, e foi com a mão cheia em seu peitoral másculo de anos de surf nas praias cariocas. O senador não se fez de rogado e tirou o sutiã da presidenta, revelando seus fartos seios. Pegou um de seus mamilos intumescidos com a boca e com a mão acariciava o outro seio, fazendo a mineira arrancar um gemido agudo

- Está gostando, meu amor?
- Aécio... Por favor...  - Dilma olhava pro tucano com olhos de ônix, tamanho o desejo - ... Não me torture mais!

Era tudo o que ele queria ouvir. Como um paulista sedento por água, retirou a próprias calças e cueca libertando seu membro em riste. Dilma soltou um forte suspiro de ansiedade quando sentiu as mãos quentes do seu amor lhe retirando a saia e a calcinha.

- Me faça sua, agora!
- Pelo contrário, Dilma - Aécio alisava o clitóris da presidenta - Hoje eu que serei seu

Penetrou Dilma carinhosamente e lentamente. Sentia milhões de descargas elétricas a cada milímetro em que mergulhava em seu amor petista. Cada vez que faziam amor era como se seus corpos unidos pudessem gerar energia suficiente para vários anos sem apagões. Aécio estocava mais forte e mais fundo a medida que presidenta pedia mais... Como se precisasse! A cada mergulho dentro dela o tucano sentia vontade de mais, como se sua vida, como se o país precisasse disso. Não pararia até conseguir o que tanto queria

- Aé... Aé... Aécio... Agora... Eu vou...
- Vamos juntos, meu amor!

Dilma sentia como se cada partícula de seu corpo estivesse entrando em combustão. Seu corpo tremia. Cravou suas unhas nas costas largas de Aécio e gritou seu nome para Brasília inteira ouvir. Ver sua presidenta se acabar de prazer só aumentou o prazer do tucano, que gozou soltando um grande urro.

Minutos depois os dois estavam deitados, Dilma repousando sua cabeça no tórax definido de Aécio, que estava pensativo. Como pode uma pessoa ser capaz de causar tantos sentimentos fortes dentro dele? Ela era capaz disso. Ela era capaz de tanta coisa... sua experiência de vida cansou de provar isso.

- Vou guardar esse momento pra sempre, Dil! Foi tão lindo...
- Eu também, meu amor. Sabe que essa noite será decisiva pra nossa relação?
- Por quê?
- Porque em janeiro vai ser mais fácil de nós contarmos pra todos que estamos juntos, já que eu estarei grávida de uns 3 meses
- O quê? - Aécio ficou estarrecido com a notícia, mas logo se tocou.
- Nós não nos protegemos, querido... Não ficou feliz com a possibilidade?
- Claro que fiquei! Eu quero muitos filhos com você, meu amor. E esse seria o nosso primeiro Filho do Brasil!

9 objeções:

Rebeca Viegas disse...

Caralho, chorei aqui
Que lindo :')

Nany^_^ disse...

Profundo.
Melhor fanfic.

Wemerson Silva disse...

Melhor fanfic ever!!!!

Thifany Capopera disse...

Mds cara :#

Pichu ㅤ disse...

Um clássico da literatura de fanfics

Isabela Biersack Sanders disse...

Com certeza uma das melhores fanfics que já li, impressionante mesmo. Os enredo e os personagens estão com uma qualidade absurda! Levarei essa história para minha vida e contarei para meu filhos, e meus filhos para meus netos, assim por diante. Está de parabéns por conseguir pensar em uma história desse nível.

Duds Correa disse...

Ae meo core ;') melhor q fic de capope -q

Angélica disse...

Best fanfic ever! Espero q vc escreva outras fanfics pra gente

Raynara Marinho disse...

Melhor fanfic Dilmécio que já li! Quero mais kk ♥

Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br