Por Você, Seu lindo! Capítulo 5

Bookmark and Share

porvc

Enfim saiu aeeeeeee \o/
Perdão pelo atraso, eu estava sofrendo um bloqueio criatívo bem preguiçoso kkkkkk mas o que importa é que estamos de volta!
O capítulo de hoje tá bem legal, tem umas passagens meio autobiográficas bem loucas… Enfim, é o melhor capítulo até agora!
leiam com todo carinho com todo respeito e não deixem de comentar!



 
Orca Reipert – Olá, Rick. Estamos com o Bom Dia Search ao vivo para todo Brasil e mais de 150 países pelo Canal 11 internacional. Tamos com o Flávio Frangolino, o Britto, a Tici e a Ana Hickmann, todos querendo saber se é verdade que você deu um pé na bunda da Luiza Bacci?
Rick Souza – Bom dia Orca, Frangolino, Britto, Tici Ana e todos os leitores do Blog da Vanessa Tocha. Sobre esse episódio, mais do que falar, eu lhes mostrarei a verdade com um único gesto
Em questão de meio segundo os lábios de Rochele estavam sentindo novamente o calor dos lábios de Rick, dessa vez sóbrio e sem nenhum resquício de baba. As pernas do novato ficaram bambas e então ele buscou sustentação se agarrando em seu pescoço. Suas línguas dançavam um ritmo sensual, um mambo caliente que estava deixando os dois sem fôlego, tendo que se desgrudar do beijo antes que morressem asfixiados.
Orca Reipert – Uaaaauuu! Então é mais que verdade: Rick Souza está em outra!
Rick Souza – Ou melhor: em outro *dá um selinho em Rochele*
Orca Reipert *virando para Rochele* - Mas e você, gracinha? Qual seu nome? O que você faz da vida? Como você se sente estando ao lado de tamanho astro? O que ele tem entre as pernas é tão grande quanto a testa dele?
Richard – Eu... eer... O... Com licença!!
Rochele sai correndo pátio adentro, desaparecendo pela multidão
Rick Souza – Perdão, orquinha... ele tá um pouco atordoado com o arredio da imprensa, ele não é do meio artístico. Agora com licença, vou acalmar meu amorzinho *sai correndo*
Orca Reipert – Ah, o amor juvenil... São dois pombinhos apaixonados, Frangolino! É com você aí no estúdio!
Flávio Frangolino – O amor é lindo, né gente? Eu por exemplo tô amando o meu livro “Dicas de #stalkerismo”, e você também pode amar esse belíssimo Best-seller! Liga aí pro número que tá aparecendo na sua tela, que os primeiros 615 a ligarem vão ganhar um descontão de 50 centavos! Tá esperando o quê, caraio? Liga logo!

Dormitório 24 – Dia
Rochele está deitada em sua cama aturdida, atarantada, perplecta e confusa com mais esse acontecido. Agora foi em rede nacional, na frente de milhares de telespectadores e centenas de alunos que estavam no pátio da Graded. Foi em rede nacional, e foi muito bom! A vontade que ela tinha era de se entregar de corpo e alma nessa loucura, mas isso não podia ser, ela estava disfarçada, seria muito perigoso...
 
Rick Souza *abrindo a porta* - Richard? Você tá aí? *sobe até o mezanino* Ah, olha você aí. Fiquei feito um louco procurando voc...
Richard *levanta bruscamente da cama* - Por que você fez isso?
Rick Souza – Eu fui no improviso...
Richard – Mas por que você fez isso?
Rick Souza – Não sei... Eu tinha que fazer alguma coisa
Richard *querendo fazer pití* – MAS VOCÊ NÃO TINHA ESSE DIREITO!! *se controlando * Assim eu vou ficar com fama de viado em rede nacional, caraio.
Rick Souza – Só você?
Richard – Mas você parece que curte uma trosoba...
Rick Souza *com o dedo na cara de Richard* - Ce olha aqui...
Vitor  – RICHAAAAAARD!!!111!!1!!1 POR QUEEEEEEEEEEEEE
Os dois são interrompidos com os gritos desesperados e loucos de Vitor
Rick Souza – Mas que merda é essa?
Richard – Parece que é do lado de fora...
Leonard *do lado de fora* - DESCE DAÍ SEU BABACA, CE QUER MORRER?
Richard – Parece ser grave!!

Os dois saem do dormitório em direção ao pátio e dão de cara com uma pequena multidão de alunos, todos olhando pra cima. Rochele vira sua atenção pro alto e vê Vitor sentado na borda do terraço do prédio dos dormitórios, balançando as pernas pra fora, 4 andares acima das cabeças de todos os alunos curiosos

Vitor - We got from so high to so low, What am I gonna do with all this damn Love, Is this fucking insane or insane, I guess that’s the role we play
Caio – Mas o que você quer fazendo esse showzinho todo hein?
Vitor – Eu quero MORRÊÊêÊêÊ *falsete do tiririca*
Leonard – Larga de boiolagem e desce daí
Vitor – EU SÓ DESCO MORTOOOOOOO JESUS ENTREI EM D E P R E S S Ã O
Richard – Pra quê isso, Vitor, Você tem a vida toda pela frente...
Vitor – MAS EU NÃO TENHO MEU MOLENGUINHAAAA
Na hora a cara de Rochele fica hiper vermelha
Rick Souza – Para de drama, vadia! Desce daí ou vai acabar complicando a nossa vida
Vitor – NÃO DESCOOOOOO
Rick Souza – Eu te do a discografia do JT
Vitor – O LEO JÁ ME DEU NO CAPÍTULO 3
Rick Souza – Eu te pago um passeio de Kombi com o Heródoto
Vitor – JÁ CANSEI DE PEGAR KOMBI PRA VISITAR MINHA FAMÍLIA EM CG
Rick Souza – Então eu vou ligar pra sua mãe e dizer que você tá de bichisse na escola
Vitor *já do lado de Rick* - Isso já é demais, poxa


Flat do Vanderson – Tarde
Vanderson – nosaa dexo vê c tem mesagei na cecertaria
Luiza Bacci *na secretária eletrônica* - OLHA VANDERSON VÊ SE VOCÊ DÁ UM JEITO NO CABEÇA DE VENTO DESSE RICK QUE ELE AGORA INVENTOU DE SER VIADO EU NÃO A D M I T O ISSO MAS COMO PODE NÓS SOMOS UM CASAL TÃO LINDO PERFEITO HARMÔNICO ENTÃO VOCÊ ORIENTA A MENTE DELE PORQUE NÃO ESTÁ SENDO FACIL PRA MIM SEGURAR ESSA BARRA TÁ TODO MUNDO NO MEU PRÉDIO ME OLHANDO TORT..*Vanderson desliga a secretária*
Vanderson – puatmerd quw mule chaat ai xeu liga pro rik
No dorm 24...
Rick Souza – Alô?
Vanderson – alor fali rik mais q histroia eh esaa d vira viaod q a loiza ligo auqi iglau o deabo
Rick Souza – Ah, Vanderson... O coração tem razões que a própria razão desconfia *risos*
Vanderson – masi eh vdd intao/
Rick Souza – Eu e ele, a gente ainda tá se conhecendo, sabe?
Vanderson – olia vdd ou não vdd isos ta seno ate bon pq tah xeganod umas ligasao pedindo vose nos comresiau tuod
Rick Souza – Olha, Vanderson, vai com calma nesses Jobs... eu ainda não me sinto totalmente recuperado
Vanderson – mais como num ta recoprado si tah ate tascano bejam no minino ai
Rick Souza - *risos* Ah, mas isso são os hormônios né? Opa, ele chegou. Deixa eu desligar. Tchau
Richard – Atrapalhei alguma coisa?
Rick Souza – Pelo contrário. Você me ajudou a cortar o Vanderson. *ele repara que Rochele está com cara de interrogação* Meu assessor. Ele é meio chato às vezes... Mas é boa gente
Richard – Olha, Rick, eu tava pensando sobre mais cedo e...
Rick Souza – Tô com vontade de ir no shopping. Quer vir comigo?
Richard – QQQQQ?
Rick Souza – É, shopping! Dá a gente podia ir pro cinema ou jantar no shopping mesmo eu em algum restaurante
Richard – M-m-m-mas você deve tá tirando! Primeiro o beijo mais cedo, agora você me chama prum e-e-ee-encontro! Claro que eu não vou!
Rick Souza – Pense que você tá me ajudando, lembra? “Qualquer coisa é qualquer coisa”?
Richard – Não vejo nenhuma ajuda aqui
Rick Souza – O Vanderson acabou de me dizer que os pedidos de Jobs pra mim comaçaram a pipocar desde hoje cedo, por causa desse lance nosso. E também, eu não quero ir sozinho pro shopping. Vamo?


No Dorm 25...
Leonard – Mas eu ainda não entendi o porquê desse chilique todo. Me explica?
Vitor – Ah... Foi só um surtinho, um ataque de pelanca
Caio – mas eu me lembro bem que ter escutado você falar de um tal “molenguinha”. Quem é esse aí? Ele te deu o pé na bunda, foi? *pega seu brilho de moranguinho e besunta os lábios*
Vitor *meio sem graça* – Né ninguém, não...
Caio – Sei...
Leonard – Ah, fala pra gente, Vitinho. Nós somos seus amiguinhos. Não vamos te zoar...
Vitor – Mas não é ninguém importante. Você nem conhecem e nem devia se importar com ele. Aliás vocês não deviam se importar comigo também!!!
Leonard – Ai, hoje você tá mais dramático que o coordenador Diogo. Que horror!


Rochele ainda não está acreditando nessa situação: ela e Rick estavam indo pro shopping. E de lá eles iriam jantar num restaurante super chique e romântico. Eles estavam tendo um encontro. Ela não conseguia tirar os olhos da janela para encarar o seu ídolo da testa lustrosa, pois a timidez a estava corroendo. Rick também olhava para a paisagem da sua janela, mas de vez em quando ele se virava para olhar a mais nova, toda retraída no canto do carro, com o olhar apreensivo que ele achava bonitinho, e se pegava rindo

Richard – Tá rindo do que?
Rick Souza – Sei lá... Do ibope de Vitória

E os dois ficaram assim até entrarem no bendito shopping. Ela nunca tinha entrado num shopping tão classudo, cheio de lojas de marcas famosas, coisas que ela nem em sonho ela poderia comprar. Hoje ela só vai ficar babando no consumismo do ator. Esse pensamento a fez ficar mais retraída ainda

Rick Souza *tentando quebrar o gelo* - Legal aqui, né?
Richard – É...

E logo o silêncio voltou a se estabelecer. Rick sentia que tinha tanto pra falar, mas não conseguia. Era como se alguma coisa o impedisse de dizer tudo que lhe vinha à cabeça. Estava começando a se perguntar se a timidez de Richard era contagiosa.
Mas logo Rick chegou em uma das lojas que ele queria ver e as coisas melhoraram, mas não no sentido linguístico. É que o ambiente da loja agradou ao mais novo, o deixando mais solto. Chegou até a ajudar o galã com alguns looks, sempre com um discurso monossilábico

Rick Souza *tentativa #2* - Essa calça ficou legal em mim? *dando uma volta mostrando seu jeans*
Richard – aham...
Rapidamente Rick escolheu as peças que queria e pagou no caixa exclusivo. Mas esse silêncio estava o matando. Sentia o suor brotar das mãos de tanta ansiedade...
Richard– Uaaau, que mochila linda!!

O novato corre pra vitrine de uma grife de bolsas e começa a babar pela mochila. Era de um modelo um tanto sério e classudo, mas com uma pegada jovem bem legal. Rick também se interessa, fazendo Richard ficar com uma pontinha de inveja branca por ele poder ficar com uma mochila tão descolada entre outras coisinhas da moda...

Vendedora NPC – Boa noite, bem vindos a Company. O que os senhores desejam?
Rick Souza – Eu e meu amigo queremos aquela mochila da vitrine
Richard *cochichando* - Ei, eu não tenho dinheiro pra uma mochila dessa, é caríssima! Você se esqueceu de que eu sou bolsista?
Rick Souza – Fica frio *pisca o olho*
A vendedora aparece com as sacolas das mochilas. Rick pega as duas e logo entrega uma a Richard
Rick Souza – Agora que estamos juntos podemos usar coisas iguais, tipo esses casais descolados. Pode pegar, eu sei que você quer. Vi sua cara na vitrine
Richard – Eu... Eu nem sei o que dizer. Eu...

Rochele olhava pra Rick e seu gesto fofo e não soube o que dizer, apenas sentir. E esse sentimentos a levaram a abraçar bem forte o seu ídolo. Rick também ficou bem tocado com o abraço do novato, a cabeça parecia flutuar, e uma alegria imensa brotava do seu coração. 


Chez Jura – Noite
Era um restaurante de classe, sem sombra de dúvidas. Com a decoração toda moderna e seus clientes todos com aquelas caras blasé típicas de gente rica e poderosa. Richard relutou pra ir nesse lugar cheio de fru frus, mas Rick o garantiu de que a comida era boa. 

Rick Souza – Então... como começou esse seu lance comigo? Você sabe, de ser meu fã...
Richard – Ah, ver suas novelas me ajudou num momento bem difícil... Eu passava pelas mais diversas humilhações na escola em que eu estudava. Ver você e sua força me inspirou a ser uma pessoa melhor. Claro que... Que eu tenho muita coisa pra trabalhar, mas eu melhorei bastante, e graças a você!
Rick Souza – E agora que eu tô na pior você se sentiu obrigado a me ajudar?
Richard – é o mínimo que eu posso fazer
Rick Souza – Mas você não acha isso loucura demais?
Richard – Pode até ser, mas por você eu faço tudo! *segura a mão de Rick* Faria qualquer coisa pra te ver brilhando de novo *dá um belo sorriso*


Luiza Bacci – Mas que cena adorável!
Do nada Luiza surgiu atrás de Richard
Rick Souza – Mas o que caralhos você tá fazendo aqui, sua maluca? Cê nem gosta desse restaurante!
Luiza Bacci – E é verdade, mas uma amiga minha me avisou da PATACOADA que está acontecendo nesse lugar!
Rick olha pro lado, vê Evarista comendo tranquilamente e revira os olhos
Rick Souza – Patacoada é você querer dar ataque no meio do restaurante e estragar o jantar dos outros. Se poupe!
Luiza Bacci – Me poupar? Me poupe você! Estar aqui que essezinho me traindo NA CARA DURA
Rick Souza – Minha filha, a gente não tem mais nada há séculos...
Luiza Bacci – MAS VOCÊ É MEU! MEEEEEEEEEUUUUUU!! E NINGUÉM TASCA, MEU AMOR!
Rick Souza – Mas quantas vezes eu tenho que te jogar na cara a verdade, que eu não te suporto e quero você longe das minhas vistas?
Luiza Bacci – Jogar na minha cara? Você nem sabe o que é jogar na cara... Isso é jogar na cara

Luiza pega o prato de macarrão de Richard e joga na cabeça de Rick

Rick Souza – Ah, sua puta... Agora é guerra!
 
BlogBlogs.Com.Br