Descoberta ~Part Deux~

Bookmark and Share

descoberta2

Olá, Meus amiguinhos!!
Tô amando o carinho de vocês cos comentários da outra fic. são poucos mas são amorzinho ♥♥ E agora vou postar a ~continuação~ da fic do Waack. Esse eu sei que ficou uma bosta, então vocês podem descer o sarrafo em mim nos comentários!
Pra quem tá órfam dos posts mais blog-de-várzea-blog-moleque-blog-bretão, podem ficar sossegados que vai rolar sim, valeu?
Sem mais, vamo rir, taca aí!

O dia amanhece em São Paulo, trazendo as luzes quentes do nascer do sol pra dentro do quarto de Christiane Pelajo. O céu estava vermelho como os olhos daquele homem que quase a atacara na madrugada. Ela tentou tirar esse pensamento da cabeça fechando os olhos, mas com a escuridão outros pensamentos vieram à tona: o clarão naquele beco, o seu amigo e parceiro de bancada William Waack arrancando a cabeça do estranho. Estava tão confuso em sua cabeça, tentara dormir mas só o que conseguiu foi rolar na cama. Já estava pensando em desistir de ficar na cama quando escuta batidas na porta da sacada na sala. Ela já pensava estar louca, mas a curiosidade a fez levantar e ver o que era. Caminhou rapidamente até a espaçosa sala em direção a sacada, abriu a cortina e deu de cara com William. Ela quase caiu pra trás de susto, como ele tinha ido parar ali na sacada de sua casa, no 18º andar?
  • A porta tá aberta - disse Chris, bufando
  • Eu sei
  • Então por que não entra? - disse bufando mais ainda
  • Não posso entrar sem licença - disse Waack num tom jocoso
  • Entra, antes que eu mude de ideia - Pelajo não estava achando graça nenhuma, a vontade que ela tinha era de socar o mais velho
  • Pelo visto você não conseguiu dormir, né? Tá com um humor maravilhoso - o mais velho se senta no grande sofá branco da sala e pega uma revista qualquer
  • E como poderia dormir depois desse quiproquó todo? - Chris está na cozinha preparando um lanche - Você quer alguma coisa, um... Café? - sua ficha parecia começar a cair
  • Não, obrigado... Eu já lanchei! - disse Waack, soltando sua inconfundível e deliciosa risadinha de canto de boca
  • E onde você... Lancha?
  • No Acre, Amazonas... Região norte
  • A comida nortista é muito boa - Chris devora seu sanduiche de blanquet de peru
  • O sangue também
  • Você tá me zoando - ela ainda não quer acreditar . É muita viagem pra ser verdade
  • Não
  • Então você realmente... - ela faz gesto como se estivesse atacando alguém
  • Eu realmente o quê?
  • Você sabe... - Pelajo segura com força o balcão da cozinha
  • Sei, mas quero ouvir uma pergunta mais completa
  • Eu quero saber se você... Você...
Chris olhava fixamente nos olhos de Waack, que estava sentado no sofá. Num piscar de olhos ou menos que isso, ele estava materializado na sua frente, do outro lado do balcão
  • Você quer saber da minha dieta? - disse o mais velho com a voz um tanto rouca
  • É... é, a sua dieta - ela sentia seu corpo tremer, de medo, nervosismo e algo mais que ela não sabia o que era
  • Bom... - William soltou uma risadinha, deixando Chris mais relaxada - Minha dieta é basicamente sangue humano. Já cansei de tentar com sangue animal mas é intragável, mesmo animais carnívoros. Quer que eu te prepare outro lanche?
  • Perdi a fome
  • Que pena pra você, pois o meu sanduiche é muito bom. Isso é o que dizem, nunca provei pra confirmar
  • Que lástima... - Chris rolou os olhos e foi olhar a paisagem da janela, tentando encaixar tanta informação na cabeça
  • Estranho não? - o mais velho se materializou novamente perto de Chris
  • QUER PARAR DE APARECER ASSIM DE REPENTE? ISSO ME ASSUSTA! TUDO ME ASSUSTA!! DESDE A MADRUGADA EU TÔ NESSA AFLIÇÃO! PARECE QUE EU FUI PARAR NUM FILME VAGABUNDO DE TERROR
  • É normal cê se sentir assim... - Disse William tentando acalmar a mais nova
  • MAS É CLARO QUE É NORMAL! É NORMALÍSSIMO VOCÊ DO DIA PRA NOITE VER SEU AMIGO ARRANCANDO A CABEÇA DE UM CARA COMO SE FOSSE UMA TAMPA DE GARRAFA E LOGO DEPOIS DESCOBRIR QUE ELE É UM... UM...
  • Vampiro?
Chris soltou um grito gutural e partiu pra socar a cara de William que logo a deteve segurando seus pulsos
  • Pro seu bem... É melhor não fazer isso, Chris
  • Me larga, seu idiota!
  • Bom, eu posso largar e deixar você quebrar sua mão na minha cara, ou posso esmagar seu pulso bem agora. Já que você quer um pouco de dor... - disse num tom ríspido
  • Você tá me zoando, eu vou te mat... AAAAAHHHHHHHH
Sem o menor esforço, William apertou os pulsos de Chris no limite para que os ossos não esfarelassem em suas mãos. Ele podia sentir os tendões e músculos sucumbindo a sua força. O grito que a mais nova dava não era o bastante para demonstrar a dor que estava sentindo. Ela estava enfraquecendo, sofrendo , suas pernas estavam perdendo a sustentação, fazendo com que ela caísse de joelhos enquanto as lágrimas começavam a brotar de seus olhos. Waack parecia estar em transe, com olhos de caçador, preparando sua presa para o abate. Apertou um pouco mais os pulsos de Chris, arrancando mais um grito desesperado. As lágrimas já estavam molhando o chão. No meio disso, ele acorda de seu transe e larga os pulsos da mais nova, que solta gemidos de alívio
  • Eu... Eu perdi a cabeça...
  • Sai da minha casa - ela olhava pras marcas vermelhas em seus pulsos. Estava morta de raiva
  • Deixa eu cuidar disso aí, vai ficar bem roxo se não tratar
  • VOCÊ NÃO OUVIU? EU ESTOU REVOGANDO O SEU ACESSO A MINHA CASA. TÁ ESPERANDO O QUE PRA VIRAR MORCEGO?
  • Era brincadeira. Não preciso de licença. Sério, Chris, isso vai ficar feio se eu não cuidar.
  • E qual é o seu remédio milagroso, ó grande vampirão? - disse exalando sarcasmo
  • Uma sangria - Chris começou a rir - Você precisa de uma desculpa melhor pra me morder, bonitão
  • Se você quiser eu não te mordo. Eu faço com uma seringa
  • Pra beber meu sangue do mesmo jeito?
  • Eu não jogo comida fora
 
BlogBlogs.Com.Br