Descoberta

Bookmark and Share

BUUUUURN BABY BUUUURNNNN
Olá, amiguinhos!
estamos aqui muito feliz com mais uma fanfic pra vocês!!
Dando uma pequena pausa em “Por Você, Seu Lindo!” pra descansar a imagem do Rick Souza e sua turma e porque eu não consigo pensar num capítulo com um desenrolar descente pra escrever, estou cumprindo mais uma promessa e trazendo uma fanfic Waack/Pelajo procês. Essa historinha mostra como a nossa peituda descobriu os dotes vampíricos do velho decrépito, mas já vou avisando que não tem putaria ~pelo menos~ nessa fic!
Agora é os avisos de sempre: comentem bastante, quotem bastante aqui e no twitter que é pra eu ficar feliz, porque deu trabalho pra fazer!!
  • Mas que ligar maravilhoso pra se furar um pneu, hein?
Chris sai do carro bufando de raiva. Depois de um dia estafante na redação do Jornal da Globo agora ela tem que lidar com mais essa: um pneu furado numa rua escura da noite da São Paulo. Seu parceiro de bancada, William Waack estava no banco do carona se divertindo com a situação
  • Isso porque você tava dirigindo feito uma lesma. Imagina se andasse direito - Disse soltando uma daquelas risadinhas de canto de boca que ele adora fazer, e que Chris adora ouvir
  • É sério, William - olha pro mais velho pela janela do motorista - Quer me dar uma ajudinha aqui?
  • Engraçado. Pra trocar um pneu eu não sou um velho decrépito...
  • Dá pra sair dessa merda de carro e me dar uma força? Eu não sei você mas eu tô doida pra chegar em ca...
Chris dá as costas para Waack e sente o corpo gelar ao se deparar com um homem gigante - quase uns 2 metros - com as vestes rasgadas e fétidas e a expressão de um predador a procura de sua caça. E ela poderia jurar que viu os olhos do rapaz mudarem do castanho-mel pra algo perto do vermelho...
  • Entra no carro!
Chris ouve uma espécie de sussurro vinda de William. Ela olha pra trás e não o encontra dentro do carro. Olha por todos os lados e se vê sozinha na rua escura. Ela abre a porta do carro para pegar seu celular e chamar um guincho, polícia, ambulância, qualquer coisa, quando ouve o barulho de tijolos caindo no chão.
  • WILLIAM!! - Chris grita pelo seu amigo, e escuta um novo barulho de tijolos, dessa vez mais forte, vindo do outro lado da rua. Ela pega o celular, liga a lanterna e segue até o lugar de onde saem os barulhos, um beco sem saída.
Ela vai andando cuidadosamente pela calçada, com medo daquele homem aparecer de novo, ou qualquer outra pessoa hostil aparecer. Na entrada do beco, Chris se esconde atrás de um poste e começa a mirar a lanterna pro local escuro quando vê o homem de antes ser jogado contra um grande muro, abrindo um grande buraco. Logo ela vê um vulto saindo do monte de tijolos que caíram do muro e indo pro final do beco.
A jornalista, tomada pela curiosidade, começa a entrar pelo beco escuro sem enxergar nada, pois a lanterna de seu celular era muito fraca. A medida que ela ia chegando mais perto seu coração se apertava por um pressentimento de que seu amigo William não estava bem. Ela ouvia barulhos familiares, porém muito estranhos: parecia uma briga, mas ao invés do som de carne com carne, era como se duas estátuas de mármore estivessem se digladiando. Ela prestava atenção nos ruídos quando um grande clarão a cegou momentaneamente, fazendo ela cair no chão um pouco desorientada. Alguém tinha posto fogo numa caçamba de lixo no final do beco sem saída, iluminando o cenário da briga. Agora Chris podia ver a sombra do homem estranho contra a luz do fogo. Ele estava de joelhos, parecia estar desorientado, quase perdendo a consciência quando outra sombra apareceu e era familiar para Pelajo: era o seu amigo. Waack andou até o estranho, o pegou pelos cabelos e com apenas uma mão arrancou sua cabeça e a jogou na fogueira da caçamba, fazendo Chris dar um grito de surpresa. William olhou para o lado pra ver quem era, e quando se certificou de que era sua amiga deu uma hesitada antes de jogar o corpo do estranho na caçamba flamejante.
Em questão de dois segundos Pelajo estava dentro de seu carro, no banco do carona, e Waack dirigia com ar sereno
  • O... Que eu perdi? - Chris se perguntava em voz alta
  • Nada demais... Vai dormir - William disse sério
  • Eu... Eu devia tá dormindo mesmo porque... Porque eu juro que vi você arrancando a cabeça de um cara na minha frente
  • E joguei na caçamba com fogo - Chris se vira pra ele, assustada, e Waack continua, rindo - Tá achando que é Inception? Não, não é. Você descobriu meu segredo
  • E você me fala com essa alegria toda?
  • Falo do jeito que eu quiser... Vou te matar, mesmo - Waack solta uma risada perversa que faz a espinha de Pelajo gelar
  • ME MATAR?? - a essa altura Chris era medo puro
  • Brincadeira! Mas não seria uma má ideia... Calma, não vou fazer isso. Eu sou pacifista, só mato pra me alimentar!
  • Se alimentar de quê?
  • De sangue
  • Ah, você é um vampiro - a jornalista solta uma risada nervosa
  • Que coisa, não? Chegamos! Tá entregue - Chris está confusa: do lugar em que estavam até o seu prédio é um trecho que leva uns 20 minutos de carro, e não 1 minuto e meio. A quantos quilômetros ele tava dirigindo? - Não precisa me levar até em casa, porque eu vou aproveitar o resto da madrugada pra caçar. Então, até amanhã!
Num piscar de olhos Pelajo viu Waack desaparecer na sua frente. E dois piscares de olhos depois ele reaparece no mesmo lugar
  • Esqueci minha bolsa - ele rapidamente tira a pasta do carro e põe a mão no ombro da amiga - Olha, eu queria muito explicar esse quiproquó todo mas eu tô morrendo de sede e você tá morrendo de sono então... Numa outra ocasião a gente conversa, ok?
Chris acena a cabeça lentamente, indicando que sim. William dá um sorriso e sussurra no ouvido de Chris
  • Fica o segredinho entre a gente, tá bom? Até!
Ele volta a desaparecer e deixa Chris no estacionamento, embasbacada e com o coração batendo forte pelo que está por vir
 
BlogBlogs.Com.Br